(31) 3224-7378 / (31) 98623-9711 (whatsapp) - contato@odontologiaesaudebh.com.br
Rua dos Tupis, 38 - Conj. 802
Centro - Belo Horizonte MG
Dia nacional do Idoso

Dia nacional do Idoso

No próximo sábado será comemorado o Dia Nacional do Idoso, data importante de ser comentada porque a inversão da pirâmide social do Brasil indica que teremos uma população idosa volumosa nos próximos anos. E independente da condição de vida mais sensível que um idoso geralmente enfrenta, percorrer a terceira idade com uma boa saúde bucal é possível. A seguir daremos algumas dicas, confira. Quais são os incômodos mais frequentes? O desconforto mais comum que as pessoas acreditam que uma pessoa idosa enfrenta é o uso de próteses, principalmente se for dentadura. O que muitos se esquecem é que o organismo do idoso é um organismo mais sensível e suscetível a inúmeros incômodos. Listando os principais deles: perda dos dentes; mastigação inadequada dos alimentos (devido às dificuldades que surgem com a falta dos dentes ou na adaptação com as próteses, a trituração da comida é feita com insuficiência); engasgos súbitos ou deglutição errada em virtude da mastigação ineficaz; cáries de raiz; xerostomia (a famosa boca seca); bruxismo (hábito de apertar e ranger os dentes); lesões da mucosa oral (candidíases, leucoplasias); câncer oral; doenças periodontais que afetam os tecidos de suporte e sustentação dos dentes; dificuldades de socialização. A terceira idade gera uma sensibilidade maior na boca, principalmente porque é normal a gengiva começar a retrair, deixando bem expostas as áreas do dente que não são protegidas pelo esmalte dental. É um desconforto sentido por alimentos ou bebidas quentes e frias, além do ar frio ou de líquidos doces e amargos – nos quadros clínicos mais graves de sensibilidade bucal.   Como resolver estes incômodos De início, a saúde bucal de...
SAÚDE… ALÉM DO CORPO!

SAÚDE… ALÉM DO CORPO!

Durante muito tempo a definição de “saúde” era tida apenas como a ausência de adoecimentos físicos. Com o passar do tempo e da modernização das pesquisas científicas, bem como a imensidão dos adoecimentos que surgiam sem uma causa aparente, fez-se urgente uma nova conceituação e entendimento do estado de saúde. O que realmente precisamos para ter, manter ou restabelecer nossa tão preciosa saúde? Acredito que devamos partir do princípio: uma infância feliz e bem cuidada, bem nutrida. Mas, nutrida muito além de belas frutas, belos cafés da manhã, refeições com pratos bem coloridos e atraentes, regularidade nos horários, e, não estamos falando em quantidade. Precisamos de pouca quantidade para alimentar substancialmente nosso corpo. É mais importante a variedade abundante do que a quantidade pra suprir nossas carências – vitamínicas, proteicas e minerais. Nossas carências são muitas. Quais carências podem afetar nossa saúde? Mais que os antioxidantes da maça ou potássio da banana, precisamos da ternura do olhar; mais que mel, precisamos do doce que vem do abraço… Meio romanceadas estas palavras! Mas, pra falar de saúde, precisamos da leveza da alma, da arte do sorriso… Ah… O SORRISO! Vou contar um acontecido. Quando recebi a leiturista da Cemig, com olhar cansado, expressão sisuda, perguntei sorridente: – Tem presente pra mim? Ela, meio desconfiada. disse: – Nem todo mundo quer este presente. Disse que ela me trazia um bom presente, sinal que a minha vida tinha luz, luz no lar, luz no amar, luz no viver e que aquele presente era mais uma forma de luz, sinal que minha casa tinha vida e vida abundante! Ela, me achando meio louca,...
Sua Boca, sua Saúde

Sua Boca, sua Saúde

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM PNEUMONIA NOSOCOMIAL? Hoje alertamos para a pneumonia nosocomial que acomete grande parte dos pacientes entubados, tanto, em ambiente hospitalar como doméstico. A incidência de bactérias colonizadoras e oportunistas que se alojam na cavidade bucal, tem relação direta com a causa de doenças pulmonares e cardíacas, entre outras. A pneumonia nosocomial é a segunda infecção hospitalar mais comum e a causa mais frequente de morte entre as infecções adquiridas em ambiente hospitalar. Os fatores de risco para o desenvolvimento de pneumonias nosocomiais incluem: doenças pulmonares e cardiológicas; manipulação do paciente pela equipe hospitalar; uso de sondas ou de cânula nasogástrica; intubação; macro ou microaspiração de secreção traqueobrônquica; uso prévio de antimicrobianos; entre outros. Em associação a todos esses fatores, em ambiente hospitalar existe maior probabilidade de estarmos lidando com pacientes imunologicamente comprometidos devido a doenças ou a medicamentos, com diminuição do fluxo salivar devido a procedimentos terapêuticos. Com a redução da lubrificação e higienização natural promovida pela mastigação e pelas enzimas salivares, a boca sofre colonização bacteriana contínua, apresentando praticamente metade de toda a microbiota presente no corpo humano e, em adição a esse fato, a placa bacteriana serve de reservatório permanente de microrganismos, podendo determinar infecções em diversos órgãos. Muitas vezes a falta de conhecimento dos familiares acerca dos processos evolutivos de um paciente acamado, diminui a importante vigilância sobre os cuidados básicos, mas, vitais para manutenção e recuperação do doente internado. Fica, então, nosso alerta para a observação insistente e cuidadosa das condições indispensáveis de higienização frequente das vias orais dos pacientes acamados e/ou entubados. Com pequenos cuidados podemos prevenir sérios agravamentos e...
Sem saliva, sem saúde

Sem saliva, sem saúde

Você sabia que na terceira idade nosso organismo já não é como na juventude? A saúde bucal comprometida vai afetar diretamente a condição nutricional, o estado físico e mental do indivíduo, além de diminuir o prazer de uma vida social ativa. A diversidade de conceitos, circunstâncias de vida e até a falta de informação podem afetar a aceitação, a procura e a realização bem sucedida de um tratamento dentário. É de vital importância que a família esteja atenta a mudanças de hábito e necessidades alteradas no organismo e aspectos psicossociais do paciente idoso. A redução da capacidade gustativa associada ao doce, salgado, amargo e ácido é percebida a partir dos cinquenta anos e atinge em torno de 80% dos pacientes idosos. A produção da saliva auxilia em diversos processos bucais. Facilita a percepção do paladar, protege os tecidos bucais, lubrifica a mucosa, previne a desmineralização e aumenta a remineralização dos dentes. Com a idade as funções salivares são comprometidas com a redução dos pontos de sensibilidade das papilas gustativas, tornando o dia-a-dia do paciente idoso mais desagradável e consequentemente reduzindo sua qualidade de vida. Entre os fatores que provocam a “boca seca” e redução da produção de saliva, podemos citar as medicações para hipertensão, depressão, ansiolíticos, anticolinérgicos e anti-histamínicos; o mesmo acontece com pacientes em tratamentos com radioterapia e quimioterapia, que costumam secar as glândulas salivares, resultando em dieta pobre, má nutrição, diminuindo a interação social. A falta de lubrificação bucal pode também contribuir para o agravamento de cáries e da doença periodontal e a consequente perda óssea. Esse processo começa cedo, a partir dos 40 anos. Inicia-se um...
Como os alimentos podem ajudar no combate à cárie

Como os alimentos podem ajudar no combate à cárie

A cárie é uma doença bastante comum que acomete a saúde bucal de muitos brasileiros. Ela acontece devido a insuficiência de proteção, gerando um desequilíbrio químico e ocasionando a cavidade. Para combatê-la, sabemos que a higiene bucal é essencial. Mas o que poucos sabem é que ela também pode ser controlada com a alimentação. É isso mesmo! Acompanhe conosco a seguir para descobrir como e aplique essas novas dicas de cuidado na sua rotina. A importância da saliva Da mesma forma que existem os alimentos que favorecem a cárie, como os carboidratos, os doces e os refrigerantes, existem aqueles que ajudam no combate a esta doença. Estamos falando dos alimentos que ajudam a produzir a saliva. Esse líquido espumoso que temos na boca, que aumenta quando vemos algo saboroso, é extremamente importante no processo digestivo. A saliva é responsável por lubrificar e diluir o alimento, além de proteger contra bactérias e umedecer a boca. Quais são os alimentos aliados neste combate Descobrimos que a saliva é feita pelo próprio corpo. Mas existem alguns alimentos que favorecem sua produção. Em meio as frutas, você pode ingerir maçã, pêra, mamão ou frutas ácidas, como laranja, abacaxi e limão. As pessoas que não possuem problemas com a ingestão de frutas ácidas podem comer sem riscos para melhorar a produção salivar. Dentre as opções de verduras e leguminosas, coma cenoura crua, espinafre, pepino, rúcula, agrião, aspargos, salsão e hortelã. Até o jiló – que deixa poucas pessoas com água na boca – favorece a salivação. Outra dica importante é o consumo desses alimentos na terceira idade, já que muitos idosos reclamam de “boca...
Halitose: o que é e como combater esse problema

Halitose: o que é e como combater esse problema

Você já sabe que nós da Mr. Clean buscamos tornar a sua vida cada vez mais tranquila e  saudável. Por isso, o papo desta semana abordará um tema que a maioria das pessoas acha extremamente constrangedor: o mau hálito. Quase todo mundo, em algum momento da vida, pode exalar esse odor desagradável da boca. O problema é quando este mau cheiro é constante e possui causas comprometedoras para a saúde. Então, para aprender mais sobre esse desconforto e descobrir como se livrar dele de uma vez por todas, acompanhe atento conosco a seguir! Afinal, o que é o mau hálito Hálito é o nome que se dá para o odor do ar que cada um expira pela boca. Quando esse cheiro é estranho ou repulsivo, ele passa a ser chamado de halitose. É importante saber que ele não é uma doença, mas é um sinal de que tem algo errado em seu organismo. Ter mau hálito não é saudável, pois as substâncias químicas que causam esse cheiro ruim acabam produzindo uma série de bactérias, o que é péssimo para seu corpo.   Por que temos halitose A grande maioria dos casos de halitose se inicia pela boca, e as causas podem ser as mais variadas: Higiene bucal inadequada, gerando a saburra lingual, que é aquela camada meio esbranquiçada no fundo da língua; Infecções respiratórias; Pouca ingestão de água; Pouca produção de saliva; Má alimentação; Estresse; Cigarro. Outra característica sobre este incômodo é que, geralmente, os portadores do problema não percebem que sofrem desse mal e acabam sendo abordados por outras pessoas sobre o fato. Como tratar o problema O...
Página 2 de 6123456