(31) 3224-7378 / (31) 98623-9711 (whatsapp) - contato@odontologiaesaudebh.com.br
Rua dos Tupis, 38 - Conj. 802
Centro - Belo Horizonte MG
QUANDO SE DEVE TROCAR A ESCOVA DE DENTES?

QUANDO SE DEVE TROCAR A ESCOVA DE DENTES?

O uso diário da escova de dentes acaba exigindo que ela seja trocada de tempos em tempos. Mas, qual é mesmo este tempo? E por qual motivo, será que é só desgaste, mesmo? A seguir, vamos responder algumas perguntas que muitas pessoas fazem quando o assunto é a troca da escova de dentes. Veja as respostas e melhore ainda mais seu hábito de higiene bucal. Por que trocar a escova de dentes? Substituir a escova de dentes usada por outra nova é uma atitude que visa otimizar a limpeza bucal. Como assim? A escova de dentes previne que um sorriso tenha acúmulo de placa bacteriana, o que evita tártaro, cárie e doenças gengivais. Se os tufos da escova estão desgastados e desalinhados devido ao uso, a remoção efetiva da placa bacteriana fica comprometida. Outro motivo é que a escova acumula bactérias, então é bom usar uma escova nova para que a boca e os dentes não sejam infectados. Quando trocar? O ideal é trocar a escova de dentes a cada 3 meses de uso. Ou então quando as cerdas (os tufos que falamos) se mostram desgastados e deformados. Vale ressaltar que após um resfriado, gripe ou infecção de boca ou garganta, também é preciso trocar, afinal os germes podem ficar na escova, ocasionando uma reinfecção. Reforçamos que a substituição por um artefato novo é por questões de manutenção da saúde bucal e, consequentemente, saúde corporal. Como saber se precisa trocar? Caso o período de uso de três meses ainda não foi completado, é necessário observar o estado físico da escova: cerdas desgastadas indicam que ela não vai limpar direito...
DIVERSÃO COM SORRISO SAUDÁVEL

DIVERSÃO COM SORRISO SAUDÁVEL

Piscina, parque, brincadeiras de correr e pular. Chegou a época das crianças curtirem as férias. Tempo bom para elas aproveitarem a infância, é esperado que os pais ou responsáveis fiquem de olho nas atividades recreativas, assim como também na saúde bucal. Férias não significa deixar o cuidado com os dentes de lado e com medidas simples você orienta e cuida da meninada, saiba mais a seguir.   Acompanhar as brincadeiras e esportes Não interprete como: “impedir que a criança brinque”. É que certos tipos de recreações geram riscos à criança – ela pode escorregar; tropeçar; bater a boca na borda da piscina, cair de bicicleta, patinete ou patins etc. Evitar machucados e lesões na boca e nos dentes é bom para que o desenvolvimento natural dos dentes e arcada ocorra sem complicações. Dependendo do esporte, dar um protetor bucal para proteger os dentes é uma boa saída.   Hidratar o corpo com muito líquido Nas férias de final de ano as temperaturas sobem por causa do verão e o corpo transpira muito. Os pequenos transpiram ainda mais porque eles não param, é a inquietude comum da fase. Água mineral, sucos naturais, água de coco, chás gelados: não importa qual bebida natural você vai dar para a criançada ficar hidratada. Um corpo bem hidratado mantém a produção de saliva no nível normal, evitando boca seca e o surgimento de doenças bucais.   Alimentação sem exagerar no açúcar Cinema, parque de diversões, piquenique na praça, passeio nos parques e museus, se a criança está na rua e ver alguma guloseima é certeza dela pedir. De salgadinhos a doces, os pequenos podem...
A RELAÇÃO DA SAÚDE EMOCIONAL COM A SAÚDE BUCAL

A RELAÇÃO DA SAÚDE EMOCIONAL COM A SAÚDE BUCAL

Tem hora que ao atendermos pacientes reclamando de alguma dor de dente, coincide deles falarem que haviam passado por um momento de estresse emocional horas antes do dente começar a doer. Ou que a rotina está muito puxada. Qualquer que seja o motivo, se ele está ligado à saúde emocional de uma pessoa, com certeza o desequilíbrio desta saúde pode afetar a saúde bucal. Nas próximas linhas a gente te explica. Entendendo um pouco o que acontece Não só na cavidade bucal, mas como em qualquer outra parte do corpo humano, os desequilíbrios psicológicos podem afetar as inconstâncias físicas, e o reverso também é possível. Se uma pessoa passa por estresse constante, o corpo dela estará liberando hormônios (hidrocortisona e cortisol), além de adrenalina. São substâncias que regulam o sistema imunológico, gerando efeitos pró-inflamatórios. Quando estes efeitos se juntam com uma má higiene bucal, o resto da história você já imagina um pouco, né.   O que o estresse pode causar na saúde bucal De um simples e passageiro inchaço a desconfortos mais graves, a saúde oral de uma pessoa que tem passado por estresse constante é coloca em cheque. Doenças periodontais, bruxismo (que pode desencadear enxaquecas, cefaléia e desgastes dos dentes), halitose, aftas, cáries e vários outros incômodos estão susceptíveis a surgirem. Isso sem falar quando o indivíduo necessita se medicar para combater o desequilíbrio emocional (casos de depressão, por exemplo) e os remédios afetam a produção de saliva, favorecendo a gengivite.   Como proceder para cuidar das duas saúdes Viver nos dias de hoje totalmente longe do estresse é algo complicado, a gente sabe. Ainda mais que...
ARRAIÁ BOM E QUE NÃO PREJUDICA OS DENTES

ARRAIÁ BOM E QUE NÃO PREJUDICA OS DENTES

Junho é o mês das festas juninas (que se estendem para o mês de julho), época de todo mundo se esbaldar dos deliciosos quitutes juninos. O desejo de saciar a vontade de comer os doces e salgados típicos é enorme, a gente sabe. Outra coisa que a gente sabe são os cuidados que devemos ter com os dentes nos dias de festa, vale a pena conhecer.   Não deixe o açúcar puxar a quadrilha das cáries   Além dos irresistíveis doces, é comum beber refrigerante para acompanhar as comidas. Nós aconselhamos trocar o refri por suco natural ou por água. Isso porque assim como o açúcar dos doces, o refrigerante também descalcifica o esmalte do dente, o que favorece o desenvolvimento de cáries. Em último caso, faça pelo menos um bochecho com água para evitar que o açúcar fique muito tempo nos dentes.   Evite o forró de complicações bucais   A farra não é só sua, ela é também das bactérias que produzem cáries, como falamos. Outros desconfortos que podem surgir são as fraturas de dentes ou inflamações na gengiva. Grande maioria dessas implicações são causadas devido aos alimentos crocantes típicos da festa: pé-de-moleque, maçã do amor, pipoca, amendoim, cocada, entre outros. Pra um pedacinho destes alimentos agarrar na gengiva e inflamar (a ponto de dar abcesso) não custa nada.   Reverência junina de atenção para quem usa aparelho   E também para quem tem prótese dentária. São pessoas que devem realmente evitar alimentos duros, como o amendoim, maçã do amor ou pé-de-moleque. A textura endurecida pode quebrar os braquetes ou a prótese, comprometendo o tratamento. O milho...
CÁRIE, AQUELA QUE ESTÁ NA BOCA DO POVO

CÁRIE, AQUELA QUE ESTÁ NA BOCA DO POVO

ENTENDA E APRENDA AGORA COMO SE PREVENIR DESSA DOENÇA Um dos alertas que todos nós ouvimos falar desde a infância é sobre a terrível cárie. Os pais ensinam aos filhos que escovar os dentes é importante para ‘não dar cárie’, e que comer muitos doces também favorece a doença. Pois bem, para que você e sua família saibam um pouco mais sobre essa vilã da saúde bucal, confira a seguir algumas informações importantes. Muito cuidado, pois ela é uma doença Aos que acreditam que é exagero, calma-lá: a cárie é uma doença causada por bactérias que vivem na boca. Caso o paciente não a trate, ela pode destruir o dente (um ou mais deles), alcançar a polpa (o nervo do dente) e virar um abcesso, que já é a infecção na ponta da raiz do dente. O abscesso é tratado fazendo canal, cirurgia ou até a extração do dente. É sério pessoal, a cárie pode evoluir para complicações super doloridas e perigosas para a saúde. O que provoca a cárie Quando nos alimentamos, seja por refeições sólidas, pastosas ou líquidas (exceto água pura própria para beber), acabamos por sujar a boca. E as bactérias que vivem em nossa boca sobrevivem dos restos de alimentos que encontram, transformando (principalmente o açúcar e amido) em ácidos. São exatamente estes ácidos que destroem o esmalte do dente, deixando-o frágil. Isso porque a placa bacteriana (formada por bactérias, ácidos, resíduos de comida e saliva) grudam no dente, podendo se mineralizar e virar tártaro. Como se prevenir Cuidar da saúde bucal é menos dolorido e mais econômico, pode apostar. Mantenha uma boa higiene da...
Página 1 de 212