(31) 3284-3223 / (31) 98623-9711 (whatsapp) - contato@odontologiaesaudebh.com.br
A RELAÇÃO DA SAÚDE EMOCIONAL COM A SAÚDE BUCAL

A RELAÇÃO DA SAÚDE EMOCIONAL COM A SAÚDE BUCAL

Tem hora que ao atendermos pacientes reclamando de alguma dor de dente, coincide deles falarem que haviam passado por um momento de estresse emocional horas antes do dente começar a doer. Ou que a rotina está muito puxada. Qualquer que seja o motivo, se ele está ligado à saúde emocional de uma pessoa, com certeza o desequilíbrio desta saúde pode afetar a saúde bucal. Nas próximas linhas a gente te explica.   Entendendo um pouco o que acontece Não só na cavidade bucal, mas como em qualquer outra parte do corpo humano, os desequilíbrios psicológicos podem afetar as inconstâncias físicas, e o reverso também é possível. Se uma pessoa passa por estresse constante, o corpo dela estará liberando hormônios (hidrocortisona e cortisol), além de adrenalina. São substâncias que regulam o sistema imunológico, gerando efeitos pró-inflamatórios. Quando estes efeitos se juntam com uma má higiene bucal, o resto da história você já imagina um pouco, né.   O que o estresse pode causar na saúde bucal De um simples e passageiro inchaço a desconfortos mais graves, a saúde oral de uma pessoa que tem passado por estresse constante é coloca em cheque. Doenças periodontais, bruxismo (que pode desencadear enxaquecas, cefaléia e desgastes dos dentes), halitose, aftas, cáries e vários outros incômodos estão susceptíveis a surgirem. Isso sem falar quando o indivíduo necessita se medicar para combater o desequilíbrio emocional (casos de depressão, por exemplo) e os remédios afetam a produção de saliva, favorecendo a gengivite.   Como proceder para cuidar das duas saúdes Viver nos dias de hoje totalmente longe do estresse é algo complicado, a gente sabe. Ainda mais...
TRANSFORME SEU SORRISO NESTE SEMESTRE

TRANSFORME SEU SORRISO NESTE SEMESTRE

Quando falamos que o sorriso influencia no bem-estar de uma pessoa não é exagero. Mesmo que a personalidade de alguém seja de não sorrir muito, caso ela abra a boca para exprimir alegria ou graça e tenha algum desequilíbrio no sorriso dela, esta pessoa irá se sentir mal pois os outros vão reparar. É isto que acreditamos: o sorriso como cartão de visitas na imagem pessoal. Se você deseja melhorar o seu, se liga nas dicas a seguir.   Há uma necessidade ou vontade? Vamos direto ao ponto: você quer ou você precisa transformar o seu sorriso? Aqui na Mr. Clean gostamos de conversar com o paciente sobre todos os pontos que influenciam na saúde bucal (tanto em termos vitais quanto estéticos) dele. Nós o ajudamos a interpretar o momento de vida, que está ligado à faixa etária, para saber o que pode e deve ser feito. Atendemos pacientes de todas as idades: desde o bebê que caiu de boca no chão e quebrou o dentinho; ao adolescente que vai tirar o dente siso para depois colocar o aparelho ortodôntico; ou ao idoso que precisa trocar a prótese dentária ou colocar implante para melhorar a mastigação. Nosso compromisso é com sua saúde bucal e geral.   Tipos de tratamentos estéticos Graças a Deus e aos cientistas que não param seus estudos nunca, a Odontologia evoluiu e continua a progredir rumo ao bem-estar e conforto do ser humano. Para mudar um sorriso de uma pessoa, hoje existem tratamentos para todas as idades (alguns específicos à faixa etária, claro) capazes de alinhar e equilibrar o sorriso de uma pessoa. O que...
DOENÇAS IDENTIFICADAS PELOS DENTISTAS

DOENÇAS IDENTIFICADAS PELOS DENTISTAS

Muito se engana quem acha que o dentista cuida só da saúde da boca e dos dentes. A cada consulta ele analisa o quadro clínico da saúde bucal e dela com o resto do corpo. Caso o profissional suspeite que exista algum desequilíbrio (glicose alta, baixa imunidade, etc), o dentista orienta o paciente da necessidade de procurar um médico. A saúde bucal anda junto com a saúde corporal, por isso hoje falaremos de algumas doenças que podem ser identificadas pelo médico dos dentes.   A saúde bucal reflete a saúde geral, e vice-versa Ao sentar na cadeira do dentista o paciente abre a boca e tem sua saúde como um todo diagnosticada. Como é comum as manifestações bucais aparecerem antes de sintomas característicos das doenças, a orientação do dentista de procurar um especialista acaba sendo uma medida preventiva. Buscando ajuda médica desde cedo, a probabilidade de um tratamento mais eficiente e de cura se elevam.   Algumas doenças vistas pelo dentista O número de enfermidades que um dentista consegue ver pela boca é grande e aqui vamos citar algumas para você saber. Entram na lista: aids, bulimia, câncer (vários tipos malignos), cirrose hepática, diabetes, papilomavírus humano (HPV), osteoporose, refluxo estomacal, clamídia, sífilis, gonorreia. Ter conhecimento da possibilidade de existência dessas doenças (algumas delas são graves) não é para gerar preocupações desnecessárias, mas sim a prevenção e o tratamento a tempo.   A vantagem de usar a câmera intra-oral Em algumas clínicas odontológicas a análise da saúde bucal do paciente é realizada utilizando uma câmera intra-oral, como é o caso da Mr. Clean. Aqui nós gostamos de usar a câmera...
TEMPERATURAS BAIXAS, SORRISO SAUDÁVEL EM ALTA

TEMPERATURAS BAIXAS, SORRISO SAUDÁVEL EM ALTA

O frio costuma trazer não só as temperaturas mais baixas, ele traz também a possibilidade de desconfortos bucais. Para que certos sintomas não atrapalhem quem gosta de curtir o friozinho da estação (que este ano veio com uma intensidade maior), é bom ficar de olho nos cuidados citados a seguir. Ranger de dentes por causa de dor ou incômodo não dá, só em caso de bater uma brisa fria, né?   Desconfortos na boca e nos dentes em dias frios A boca possui temperatura constante de 36ºC a 38ºC e no inverno a temperatura do ambiente cai bastante, atingindo 10ºC. Este fenômeno, chamado inversão térmica, pode gerar incômodos. As pessoas que não estão com lesão ou trauma nos dentes talvez sintam uma sensibilidade maior a ponto de terem que usar cremes dentais específicos. Quem está com algum tipo de problema bucal tem mais chance de sofrer com o frio, afinal a tendência é que a temperatura baixa aumente os sintomas. Outras sensações comuns da época são quanto aos resfriados, gripes e sinusites que deixam a boca ressecada durante o sono – as sinusites podem provocar dores nos molares e pré-molares devido à possibilidade da inflamação atingir os seios maxilares, onde ficam estes dentes.   Cuidados com a saúde bucal no inverno O ideal é não exagerar no consumo de certos tipos de bebidas e alimentos calóricos. Como o café, vinho e chás escuros possuem muitos pigmentos e geralmente são adoçados, eles costumam comprometer a saúde bucal (manchas, cáries, corrosão do esmalte e dores). Os carboidratos e chocolates também são os queridinhos da estação e também das cáries, devido ao...
SAIBA COMO SE PREVENIR DA HALITOSE

SAIBA COMO SE PREVENIR DA HALITOSE

O que é essa tal de halitose? Entenda! Mesmo que o termo pareça ser nome de doença, a halitose nada mais é que o mau hálito, o incômodo que alguns sentem quando abrem a boca para falar ou respirar. É um assunto considerado meio que um tabu, pois há pessoas que sabem que têm, as que acham que que têm e as que não sabem que têm (é um problema até psicológico e delicado de se lidar,  afinal incomoda tanto quem possui, quanto quem está perto de uma pessoa que possui). Separamos algumas informações para que você, quem sabe não consiga ajudar aquela pessoa mais íntima (parente, amigo) que, infelizmente, sofre com isso?   As causas do mau hálito   Já está comprovado que a grande maioria dos casos de halitose começa na própria boca. Cerca de 90% dos casos se relacionam à falta de limpeza da língua, o que gera a saburra lingual (placa bacteriana esbranquiçada que fica no fundo da língua). Os outros 10% são referentes aos casos de restaurações mal adaptadas ou quando a pessoa come certos tipos de alimentos (cebola e alho, por exemplo); ingere muito álcool; fuma; costuma ter a boca seca ou está com algum desequilíbrio no corpo – doença periodontal, diabetes, insuficiência renal, infecções respiratórias ou no aparelho gastrointestinal.   Os pacientes que passam por tratamento de radioterapia, costumam ter a produção de saliva reduzida, o que gera mau hálito (dependendo, se preciso, eles podem até usar saliva artificial para ajudar na lubrificação da boca). Todas essas hipóteses elevam as chances de uma pessoa ter mau hálito. Lembrando que hoje já existem...
Página 1 de 212