(31) 3224-7378 / (31) 98623-9711 (whatsapp) - contato@odontologiaesaudebh.com.br
Rua dos Tupis, 38 - Conj. 802
Centro - Belo Horizonte MG
Protegido: Tudo o que você precisa saber sobre o nascimento dos dentes de leite

Protegido: Tudo o que você precisa saber sobre o nascimento dos dentes de leite

Os dentes provisórios, também chamados de dentes decíduos ou dentes de leite (pela sua cor mais branca), sempre serão um mistério para os pais, especialmente para os “marinheiros de primeira viagem”. É importante observar a ordem com que eles nascem e se estão se desenvolvendo da forma correta. Leia, neste artigo, tudo o que você precisa saber sobre o nascimento desses dentes. Confira! Fase de mudanças A erupção dos dentes de leite faz com que o bebê sofra uma série de mudanças físicas, já que ele está começando a receber, além do leite, novos alimentos. O surgimento dos dentinhos acaba coincidindo com essa fase de introdução. É um momento especial e que causa muita ansiedade aos pais. Quando surgem os primeiros dentes de leite? De uma forma geral, o primeiro dentinho aparece por volta dos seis meses. Mas isso varia muito de bebê para bebê. Há bebês que com quatro meses já possuem o primeiro dente. Já outros, com um ano ainda não tem nenhum. E há ainda aqueles que podem apresentar algum dentinho já quando nascem ou alguns dias depois, os chamados dentes natais ou neonatais. Neste caso, é necessária uma avaliação para averiguar se o dente possui mobilidade, correndo o risco da criança ingeri-lo (indicada a remoção). Se não houver riscos, o dente poderá ser mantido, com os pais fazendo a devida higienização. Sequência dos dentes de leite Na maioria dos pequenos, a ordem do nascimento dos dentinhos de leite ocorre conforme as alterações do tipo e consistência do alimento dado a eles.  Os primeiros a nascer são os incisivos (seguram os alimentos), ideais para mastigar legumes...
5 problemas bucais mais comuns na terceira idade

5 problemas bucais mais comuns na terceira idade

Após vários anos ingerindo alimentos e bebidas, mastigando e cuidando da higiene bucal, é normal que a terceira idade seja a fase em que os dentes estão mais desgastados e frágeis, sensíveis mesmo. Para que você e sua família fiquem por dentro dos problemas bucais mais comuns desse período da vida, escrevemos este texto. Vale a pena compartilhar o assunto, todo cuidado com nossos avós, parentes e amigos que estão nesta fase é pouco. 1- Boca seca A xerostomia, normalmente conhecida como boca seca, ocorre quando a produção de saliva diminui, seja por causa de medicamentos que os idosos costumam tomar, seja por motivo de tratamentos mais fortes (câncer, por exemplo) ou por simples falta do hábito de beber água ao longo do dia. Este desequilíbrio precisa ser evitado ou corrigido, afinal a saliva possui propriedades antibacterianas que fazem parte da defesa do corpo contra infecções. 2- Cáries Uma pessoa idosa tem mais chance de sofrer com alterações bucais, como ter a gengiva mais retraída. Isso acaba deixando a raiz do dente mais exposta, o que aumenta a probabilidade de acontecer a ‘cárie de raiz’, o que compromete o dente e deixa a dentina mais hipersensível. A cárie não é saudável não só por questão da estrutura do dente, mas também porque dentes saudáveis são importantes para uma mastigação e deglutição eficazes, o que para a vida um idoso é essencial. 3- Cuidado com as próteses e implantes Não é todo idoso que sabe fazer a manutenção correta das próteses ou implantes que possui. Isso acarreta em incômodos, doenças e má qualidade de vida. Para mantê-los em bom estado,...
DTM – Disfunção Temporomandibular

DTM – Disfunção Temporomandibular

Tudo o que você precisa saber sobre DTM – Disfunção Temporomandibular O que é DTM/DOF? A sigla DTM significa Disfunção Temporomandibular, e a sigla DOF significa Dor Orofacial. Ambas se referem às alterações funcionais que uma pessoa pode ter na musculatura da face responsável pela mastigação e também na articulação temporomandibular (ATM). A articulação temporomandibular (ATM) é a parte que conecta sua mandíbula (maxilar inferior) ao crânio. A articulação pode ser encontrada nos dois lados da cabeça, na frente das orelhas. Permite abrir e fechar a mandíbula, falar e comer. Esses distúrbios são tratáveis, mas existem várias causas possíveis e também é preciso conhecer o profissional adequado para o tratamento. Confira conosco a seguir! Quais são os sintomas da DTM/DOF? Os sintomas dos distúrbios da ATM dependem da gravidade e da causa de sua condição. Certas pessoas relatam que já levantam pela manhã com dores na face ou na cabeça e não associam ao fato de terem (inconscientemente) pressionado os dentes durante a noite. O sintoma mais comum da DTM é a dor na articulação e nos músculos circundantes. Outros sintomas normalmente associados a esses distúrbios incluem: Cefaléia (dor de cabeça), principalmente ao acordar; Dificuldade de mastigar; Dor na musculatura do rosto; Qualidade do sono comprometida; Dor de ouvido; Zumbido; Rigidez nos músculos da mandíbula; Sensação de travamento ao abrir a boca; Estalo ou emitindo som na região da articulação; Mudança no posicionamento da mandíbula, mudando a maneira como os dentes superiores e inferiores se alinham (chamada Má Oclusão) Os sintomas podem aparecer em apenas um lado do rosto, ou em ambos. O que causa DTM/DOF? Existem alguns outros...
5 BENEFÍCIOS QUE SÓ O APARELHO INVISÍVEL TEM

5 BENEFÍCIOS QUE SÓ O APARELHO INVISÍVEL TEM

Corrigir a posição dos dentes na arcada dentária sem ninguém notar. O sonho de muitas pessoas tem virado realidade graças ao tratamento ortodôntico pelo aparelho invisível. As celebridades e pessoas que valorizam a autoimagem têm adorado este tipo de tratamento, e por isso separamos as principais vantagens que ele oferece, olha só. Mais do que discreto, invisível mesmo O aparelho invisível é praticamente imperceptível. Com ele, o sorriso continua à mostra e bonito devido às suas placas transparentes, daí o nome também de ‘alinhadores invisíveis’. Seu uso é indicado para os casos mais simples de ortodontia, lembrando que somente o dentista é capaz de avaliar se o paciente pode ou não usá-lo. Eficácia e rapidez O aparelho invisível é o tratamento ortodôntico mais avançado dos dias de hoje. Sua tecnologia, com escaneamento em 3D da arcada, permite se ter uma prévia do sorriso após o tratamento, além das placas serem feitas sob medida. São qualidades que favorecem um tempo médio de uso menor do que os tratamentos convencionais e que tem deixado muito paciente satisfeito. Conforto que não tem igual As moldeiras garantem um conforto maior para quem usa (não tem nada de metal a ser colocado nos dentes). Elas podem ser removidas em ocasiões especiais (alimentação, falar em público, uma festa ou sempre que preciso). O material das placas é flexível, inodoro, atóxico e super adaptável ao ambiente bucal, os pacientes se sentem à vontade de usar.  Clique aqui e receba GRÁTIS o Guia Definitivo sobre Aparelho Invisível   O queridinho dos adultos A escapatória do sorriso metálico, sem metal nenhum, existe e se chama aparelho invisível! Os adultos estão adorando...
QUANDO SE DEVE TROCAR A ESCOVA DE DENTES?

QUANDO SE DEVE TROCAR A ESCOVA DE DENTES?

O uso diário da escova de dentes acaba exigindo que ela seja trocada de tempos em tempos. Mas, qual é mesmo este tempo? E por qual motivo, será que é só desgaste, mesmo? A seguir, vamos responder algumas perguntas que muitas pessoas fazem quando o assunto é a troca da escova de dentes. Veja as respostas e melhore ainda mais seu hábito de higiene bucal. Por que trocar a escova de dentes? Substituir a escova de dentes usada por outra nova é uma atitude que visa otimizar a limpeza bucal. Como assim? A escova de dentes previne que um sorriso tenha acúmulo de placa bacteriana, o que evita tártaro, cárie e doenças gengivais. Se os tufos da escova estão desgastados e desalinhados devido ao uso, a remoção efetiva da placa bacteriana fica comprometida. Outro motivo é que a escova acumula bactérias, então é bom usar uma escova nova para que a boca e os dentes não sejam infectados. Quando trocar? O ideal é trocar a escova de dentes a cada 3 meses de uso. Ou então quando as cerdas (os tufos que falamos) se mostram desgastados e deformados. Vale ressaltar que após um resfriado, gripe ou infecção de boca ou garganta, também é preciso trocar, afinal os germes podem ficar na escova, ocasionando uma reinfecção. Reforçamos que a substituição por um artefato novo é por questões de manutenção da saúde bucal e, consequentemente, saúde corporal. Como saber se precisa trocar? Caso o período de uso de três meses ainda não foi completado, é necessário observar o estado físico da escova: cerdas desgastadas indicam que ela não vai limpar direito...
Página 1 de 1812345678...Última »